domingo, 24 de dezembro de 2017

Nasceu o Rei


Por Karoline Evangelista

“Onde está aquele que é nascido rei dos judeus?” (Mateus 2.2a)

O coração do homem é um palácio, no seu trono, sempre há um rei assentado, este é forte, domina a mente, domina o corpo e está pronto a lutar contra qualquer que ouse tomar o seu lugar. “Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? ”. Essa pergunta faz estremecer todo o nosso ser pelo rugido feroz do Herodes que habita em nós. Herodes é egocêntrico, sanguinário! Quantos morreram? Quantos morrerão? A veia da qual escorre tanto sangue, em troca de poder, emana do nosso coração. Nasceu O Rei! Há vários reis. Porém, apenas um pode reinar.

O nosso coração é inclinado a levar ao trono aquele rei que é aclamado pelo mundo. O mundo coroa os que nascem em berço de ouro, os que moram em cidades de grande desenvolvimento, os que são diplomados, bonitos, doutores, ricos, independentes! Deus não vê como o mundo vê. O Rei dos reis quando enviado ao mundo, nasce em uma manjedoura, um nazareno, torna-se carpinteiro, não ajunta tesouros na terra, serve a quem não merece seu favor, acolhe crianças, honra mulheres, morre como um maldito para tornar filhos de Deus, homens que antes eram inimigos.

Enquanto o mundo se surpreende com a força do gigante Golias, Deus escolhe usar os braços fracos do pequeno Davi. Quando o mundo favorecia os irmãos mais velhos, Deus escolheu Abel ao invés de Caim, Isaque e não Ismael, Jacó a Esaú, Davi, em detrimento de seus irmãos mais velhos e mais interessantes aos olhos humanos. Quando o mundo desprezava as mulheres estéreis e de pouca beleza, Deus mostra o seu poder na vida da idosa Sara, da desprezada Leia, das estéreis Rebeca, Ana e Isabel. Toda essa contradição por quê? Porque o cristianismo é diferente de tudo aquilo que empodera o nosso eu. Cristo veio para os fracos, perdidos, a fim de mostrar que não é pelo nosso mérito que o céu é alcançado. Seu reino não é deste mundo!

Que rei assenta no trono de nosso coração? Se recorremos à sala real para pedir que todos os nossos desejos sejam satisfeitos, não é o Rei dos reis que estende o cetro para nós. Se glorificamos o rei que realiza os nossos sonhos, massageia o nosso ego e faz-nos dignos do aplauso do mundo, é o nosso eu que adoramos. O Rei dos reis é Soberano, não se dobra às nossas vontades tolas, não dá crédito aos nossos caprichos, Ele abomina a vaidade insana desse mundo passageiro. Ele não aceita barganhas, Ele não quer ser adorado por interesseiros, mas por adoradores verdadeiros. Herodes pode ser o seu dinheiro, a sua família, os seus prazeres, os tesouros que você estima acima de Deus, aquilo que reina em seus pensamentos, aquilo que abala as suas emoções. Quem reina em seu coração? É Natal! “Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? ”.





As postagens são de inteira responsabilidade dos autores e as opiniões nelas expressas não refletem, necessariamente, a opinião dos outros colunistas bem como do Corpo Editorial do Blog

0 comentários:

Postar um comentário