domingo, 21 de maio de 2017

Precisamos gastar os nossos dias com sabedoria


Por Sebastiana Inácio Lima

“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, Remindo o tempo; porquanto os dias são maus. Por isso não sejais insensatos, mas entender qual seja a vontade do Senhor”. Efésios 5:15-17

Podemos abordar a sabedoria, ou a falta dela para aplicarmos a quem não anda de maneira prudente, não observa o valor do tempo que Deus nos dá para vivermos aqui nessa na terra. Sabedoria é uma palavra derivada do grego “sofia” (estudo, conhecimento) que, por sua vez, vem de “sophos” (sábio), e tem como significado “aquilo que o sábio possui”. O latim tem a palavra “sapere” para expressar sabedoria.
         
Nesse texto vemos há uma ênfase a olharmos prudentemente como estamos andando, de forma sábia, remindo o tempo, valorizando, aproveitando de forma saudável e proveitosa. Sabemos que vivemos dias corridos, de maneira insensata e sem foco, perdidos num emaranhado de atividades seculares, maçantes e infrutíferas.

Aprendemos a viver de modo errado desde a mais tenra infância, principalmente aqueles que são oriundos de lares que não professavam a fé cristã. Todos nós queremos viver uma vida agradável, feliz, abastada. E desde cedo aprendemos de forma errada o que são “as boas coisas da vida”. Aprendemos com o mundo coisas absurdamente contrárias à Palavra de Deus. Aquilo que atenta contra a santidade de Deus é ensinado a ser praticado pelo mundo sem nenhum pudor, ou temos de desagradá-lo. O mundo chama ao bem mal e ao mal bem: Isaías 5:20,21 Vejamos: Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! Ai dos que são sábios a seus próprios olhos, e prudentes diante de si mesmos!

Gastamos o nosso tempo sem nenhuma preocupação de glorificar a Deus, “eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado”. (2 Co 12.15). Precisamos os gastar pela obra de Deus, pelo progresso do Evangelho, pelo anelo da sua presença. Temos desperdiçado tempo, saúde e vigor em atividades que depois de acabadas não nos trazem nenhuma recompensa virtuosa, não agregam valor a nada nem a ninguém, tempo gasto em edifícios de palha.

O Tempo é uma Criação de Deus. “Chamou Deus à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia.” (Gênesis 1:5) O Tempo está submisso à soberania de Deus. Isso significa que não há lugar para o acaso, para a coincidência. Há um Deus que está no controle de tudo. O Tempo é dirigido pela sabedoria de Deus, acentua em nós a sede da eternidade, revela a nossa limitação e a grandeza de Deus.

Os homens, tem brincado com o tempo que Deus os concedeu, vivem como se fossem infinitos e morrem de maneira repentina sem que tivessem aproveitado com sabedoria, os dias que lhe foram presenteados pelo Criador. A Bíblia diz que o homem é como neblina, como relva, como um sonho, para acentuar a brevidade e a fragilidade da vida humana. Diz também, que Deus é de eternidade em eternidade; Ele é o EU SOU. Mil anos para Ele é como um dia e um dia como mil anos.

Em algumas ocasiões não tiramos lições das adversidades, não aprendemos com a pedagogia de Deus, não queremos receber as correções de Deus, queremos andar segundo o nosso enganoso coração. Isso denota falta de sabedoria. Fazemos planos esquecendo de que somos limitados: “digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece. Em lugar do que devíeis dizer: Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo.” Tiago 4:14,15

De forma ainda mais arrogante e néscia, ousamos buscar mérito naquilo que o Senhor nos usou para edificar, queremos o louvor pelas obras que executamos. “Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.” Romanos 11:36, essa atitude é típica da nossa natureza caída, que ainda não tendo sido consumado todo o pecado, estando nós nesse “corpo de morte” como disse o apóstolo Paulo, ainda não deixamos de pecar, embora esses pecados não sejam mais imputados como condenação, ainda nos afetam por causa da justiça de Deus (aquilo que o homem plantar, certamente colherá)[1]

Será que vivemos de modo digo do Evangelho de Cristo? Às vezes vivemos como se Deus ao existisse, não temos uma vida cristã madura, ao lutamos pela nossa fé, as vezes temos ativismo sem amor. “Vivei, acima de tudo, por modo digno do Evangelho de Cristo, para que, ou indo ver-vos ou estando ausente, ouça, no tocante a vós outros, que estais firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica;” Fp 1.27

O evangelho os constrange ao amor, a santidade, a obediência, ao perdão, nos direciona a lutar pela causa de Cristo. A nossa sabedoria humana não nos dá segurança, em Eclesiastes 7:11,12: “A sabedoria é algo tão bom quanto uma valiosa herança, e é uma bênção para todos quantos vivem debaixo do sol [...]”.

Mas precisamos priorizar o reino de Deus: “Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. 34 Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” Mateus 6:25-34. O que temos feito com o nosso tempo? Com os nossos melhores dias, a saúde, com a família? Será que ao invés de buscar uma vida de paz e harmonia não estamos encontrando problemas em todos os lugares? O que tem sido nosso primeiro pensamento? Será que temos meditado as coisas que nos esperam nos céus, será que estamos aproveitando o nosso tempo, fazendo tudo para a glória de Deus?
Não podemos viver murmurando por que passamos por dificuldades. Não podemos brincar com o tempo, aqui os dias correm e não podemos deter o relógio. Perdemos tempo remoendo problemas, deixando de orar, deixando de ler e meditar na Palavra de Deus. Precisamos aprender a sabedoria, e só pedindo a Deus, o detentor de toda a sabedoria é que teremos.

Referência

Bíblia Almeida Corrigida e Fiel


[1] Gálatas 6.7.

As postagens são de inteira responsabilidade dos autores e as opiniões nelas expressas não refletem, necessariamente, a opinião dos outros colunistas bem como do Corpo Editorial do Blog

0 comentários:

Postar um comentário