terça-feira, 28 de maio de 2013

Igreja Católica da Austrália admite ter ocultado casos de pedofilia

O chefe da Igreja Católica na Austrália culpou a cultura do silêncio nesta segunda-feira pelo ocultamento dos casos de abuso sexual de menores por parte do clero.
Ele acrescentou que o número de evidências caiu significativamente desde que a Igreja começou a tomar medidas mais fortes.
O cardeal George Pell, um assessor do Papa Francisco sobre as reformas do Vaticano, lamentou em uma audiência parlamentar que a Igreja tenha sido lenta para enfrentar o sofrimento das vítimas e reiterou seu pedido de desculpas, embora tenha negado participação no ocultamento dos casos.
- Eu sou totalmente defensor, e sinto muito - disse Pell, que foi interrogado por mais de quatro horas.
Pell afirmou que o número de denúncias de abusos por membros do clero atingiu o pico na década de 1970 e 80, mas caiu quando a igreja mudou sua abordagem.
- A evidência de mau comportamento, crimes, foi significativamente reduzida. Espero que o pior tenha ficado para trás - disse o cardeal, acrescentando que 300 pessoas em Victoria receberam compensações por abuso.
A Igreja Católica confirmou em setembro do ano passado a existência de 620 casos de abuso sexual contra menores, incluindo crianças de 7 e 8 anos, cometidos na Austrália por padres desde 1930. A maioria dos abusos foram realizados entre 1960 e 1980, enquanto 13 dos abusos ocorreram depois de 1990, de acordo com a igreja.
Durante as sessões anteriores, várias vítimas que sofreram violações por padres compartilharam suas experiências traumáticas ante o comitê de investigação.
Fonte: Diário de Pernambuco


Post em Folha Gospel

0 comentários:

Postar um comentário