domingo, 13 de janeiro de 2013

Deus Odeia o Pecado e o Pecador



                                                                                                              Por Pedro Henrique

Nos dias atuais as igrejas encontram-se centradas no homem, orientadas pelo sucesso e sentimentalismo. Nós cristãos sabemos à nossa custa que temos mentes não esclarecidas e vontades instáveis no que diz respeito a servir a Deus, e que frequentemente vivemos um emocionalismo disfarçado de espiritualidade. Sem maturidade, encontramo-nos inconstantes no viver para Deus. Consequentemente transmitimos ensinamentos que não estão em conformidade com a verdade de Deus.

Nossos eventos evangelísticos são atualmente cheios de emocionalismo e sentimentalismo, com mensagens do tipo: Deus odeia o pecado, mas ama o pecador, nos quais convoca-se o pecador para uma vida com Deus sem falar-lhe da ira de Deus que permanece sobre ele (Jo 3.36). Muitos afirmam que o amor deve ser pregado, porém, esquecem-se da justiça de Deus, que é um Santo Legislador.

A. A Justiça de Deus

Diz Turrentino: "Se a justiça é um atributo de Deus, então o pecado tem que receber o que lhe é devido, que é a punição". Deus é santo, e requer que sejamos santos em toda a nossa maneira de viver (1 Pe 1.16). A Sua santidade reage contra o pecado, e esta reação se manifesta na punição do pecado. É Deus quem esta por trás da lei, portanto a punição visa à exigência da Sua justiça e santidade.

Deus ama tudo que está em conformidade com as Suas leis. Ele necessariamente tem que punir o pecado, pois um Deus santo não deixará que o pecado fique impune. Ele é um reto juiz que retribui ao homem conforme merece. “A cada um retribuis segundo as suas obras” (Jó 34.11); “Eu sou o Senhor, e faço misericórdia, juízo e justiça na terra” (Jr 9.24).

B. Punições Naturais do Pecado

O pecado resulta em punições que são consequências naturais das quais o homem não pode escapar por serem imutáveis. Perdão ou arrependimento não podem livrar o homem destas consequências. Um cônjuge que adultera enfrentará a vergonha por causa do pecado cometido. O criminoso sofrerá as punições da lei e a desconfiança da sociedade. É importante considerar que as punições sobre um individuo também são sofridas por aqueles ao seu redor. Um jovem que usa drogas trará vergonha sobre seus pais. A consequência do pecado de Adão atingiu toda a sua descendência, e até mesmo a criação que estava posta sobre seus cuidados.

C. Deus Odeia o Pecado

A santidade de Deus se manifesta na Cruz de maneira espantosa. A expiação demonstra a santidade infinita de Deus e Seu ódio ao pecado. O cálice da ira de Deus derramado sobre o seu Filho revela de maneira única o quanto Deus odeia o pecado em proporções eternas. Deus é Santo e odeia o pecado eternamente. "... o perverso é abominação para o Senhor...” (Pv 3:32); "Abomináveis são para o Senhor os pensamentos do mau., .." (Pv 15:26).

Conforme dito acima, comumente afirma-se que Deus odeia o pecado, mas ama o pecador. Deste ponto de vista é importante salientar que há uma separação entre o pecador e o pecado que ele comete, de modo que Deus desassocia o pecador da culpa pelo pecado cometido. Porém, o pecador só é perdoado com base no fato de que Outro levou sobre Si o  castigo que lhe era devido. “... sem derramamento de sangue não há remissão" (Hebreus 9:22).

O pecador está morto em delitos e pecados, e em constante inimizade contra Deus. Ele odeia Deus e ao seu povo. É um rebelde insensato que desagrada a Deus em todos os  sentidos. A sua vida é para si, e julga em nada necessitar do criador, que é bom eternamente. Seus caminhos são caminhos de trevas, nos quais há morte e destruição.

D. O Entendimento Acerca de Deus

O conceito acerca de Deus para muitos, inclusive grande parte da igreja, é unilateral, ou seja, coloca-se Deus em obrigação para com o pecador. Esperam que a misericórdia de Deus supere tudo mais. Pensam segundo os padrões enganosos do coração, ou seja, um deus carnal. O deus criado por eles é de caráter maculado e sem aversão ao pecado. Consideram que os ama a todo custo, e as veem como pobres criaturas sem culpa.

Infelizmente, este entendimento acerca de Deus é transmitido em evangelismos quando alguém diz que Deus odeia o pecado, mas ama o pecador. Se assim for, como Deus enviará o pecador ao inferno se o ama? E a culpa, é aniquilada? E como Deus punirá aquele que peca desde o princípio, Satanás?

E. Conclusão

As igrejas precisam afirmar dentro e fora de seus domínios que Deus é um Deus irado com o pecado, que as pessoas necessitam da Sua misericórdia na pessoa de Cristo, no qual Ele nos faz agradáveis a Si, que é Cristo quem nos livra da ira que será revelada, que quão terrível é cair nas mãos de Deus irado, pois Ele é fogo consumidor. O pecado precisa ser levado a sério a partir dos púlpitos e líderes do nosso país.

Notas
_______________________________

[1] Berkhof, Louis. E-book: Teologia Sistemática.

[2] Pink, Arthur Walkington, E-book: Os Atributos de Deus.

0 comentários:

Postar um comentário