sábado, 3 de novembro de 2012

31 de outubro de 1517



por Rafael de Lima

Há alguns dias atrás comemoramos um dos grandes eventos ocorridos na história da cristandade: a Reforma Protestante. Tradicionalmente, a data de 31 de outubro de 1517 tem sido disposta como o Dia da Reforma. Foi neste dia que o monge Martinho Lutero afixou suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg.

Lutero, Calvino e Zuínglio foram herdeiros de outros nomes tão importantes quanto o deles. Homens que entregaram as suas vidas em prol da restauração do cristianismo para uma perspectiva bíblica.

Em fins do século XIV, João Wycliffe clamava por uma reforma na Inglaterra. Já nos primeiros anos do século XV, João Huss era a voz reformista na Boêmia, a ponto de ter sua vida ceifada na fogueira sob a acusação de herege. Já por fim do século XV, Jerônimo Savonarola militava contra os abusos da Igreja Romana, findou como um mártir, enforcado e queimado[1].

O terreno para os reformadores foi regado a sangue. No século XVI, os reformadores Martinho Lutero, João Calvino e Ulrico Zuínglio continuaram na luta para que o cristianismo fosse restaurado.

Somos herdeiros desta Reforma! O que é mais triste é ver que uma porção majoritária dos evangélicos sequer lembra essas origens. O que vem à mente de muitos cristãos quando indagados acerca do dia 31 de outubro, não é outra coisa se não o famigerado Halloween.

Sem dúvidas, esses são tempos em que devemos nos apegar às nossas origens, nossa história. Que todos possamos, a um som, clamar por um verdadeiro avivamento, assim como aconteceu na época destes homens.

“Aviva, ó SENHOR, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos faze-a conhecida; na tua ira lembra-te da misericórdia” (Hc 3:2b – ACF)[2].


Notas



[1] Para maiores detalhes conferir: GONZÁLEZ, Justo L. História ilustrada do cristianismo. 2ª ed. rev. São Paulo: Vida Nova, 2011

[2] A versão utilizada neste artigo é a Almeida Corrigida e Revisada Fiel ao Texto Original (ACF) publicada pela Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.

0 comentários:

Postar um comentário