segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Rev. Moon, que se proclamava messias, polêmico líder da seita da unificação, morre aos 92 anos




O coreano de 92 anos, que ficou famoso ao desenvolver um bom relacionamento com líderes norte-coreanos e presidentes conservadores dos EUA, morreu em um hospital de sua seita perto de sua casa em Gapyeong, na Coreia do Sul. Ele estava internado com pneumonia desde duas semanas atrás. A seita que ele fundou construiu um império de negócios que inclui escolas, um resort de esqui e dezenas de outros empreendimentos em vários países, inclusive movimentos pela paz mundial.

A seita também possui jornais na Coreia do Sul, Japão, América do Sul e Estados Unidos, inclusive a United Press International (UPI), cuja tradução é Imprensa Unida Internacional. O Washington Times, considerado o principal jornal conservador dos EUA, também foi fundado por Moon na capital dos EUA. Embora tivesse tido certo contato com Nixon, Reagan e Bush por seu suposto anticomunismo, a seita de Moon é dona de uma grande montadora e hotel na Coreia do Norte, o mais radical país comunista do mundo. Reportagem da Associated Press declarou que a Igreja da Unificação tem hoje 3 milhões de seguidores, inclusive 100.000 membros nos EUA, e missionários em 194 países.

O movimento de paz do autoproclamado messias tinha simpatia de líderes evangélicos dos EUA e Brasil, inclusive o Bispo Manoel Ferreira, o mais importante líder da segunda maior denominação assembleiana do Brasil. Ferreira, que foi representante da socialista Dilma Rousseff para a população evangélica durante a eleição presidencial de 2010, participou de um casamento em massa na Coreia dirigido pelo Rev. Moon.

A associação de Moon com Ferreira e líderes comunistas da Coreia do Norte tornava seu anticomunismo contraditório. A igreja de Moon se instalou no Brasil em 1981 e comprou mais de 80 mil hectares no Mato Grosso do Sul, onde construiu a fazenda New Hope (Nova Esperança, em inglês). O empreendimento virou alvo de uma CPI na Assembleia Legislativa do estado por prática de lavagem cerebral. Além disso, Moon foi acusado pela Receita Federal de sonegar R$ 31 milhões por ano. Nos EUA, ele esteve preso por mais de um ano em meados de 1980, igualmente por sonegação de impostos.

Segundo a revista Veja, os seguidores de Moon acreditam que a mãe de Jesus Cristo não era virgem nem o pai era José. Moon, disse Veja, ensinava a ideia de que Maria foi visitar uma prima, Isabel, e lá conheceu o marido dela, Zacarias, que a engravidou. Essa é apenas uma das desqualificações que ele atribuía a Jesus. Para ele, Jesus fracassara em sua missão na terra. Moon acreditava que Deus havia confiado a ele a missão de ser um messias que fizesse o que o Messias de dois mil anos atrás não conseguiu fazer.

Fonte: Juliosevero.com


0 comentários:

Postar um comentário