sábado, 2 de junho de 2012

A sociedade: O mal seja o meu bem



Por Jadson de Paula

A sociedade do século XXI se diferencia por agrupar uma geração que corresponde em demasia a um estado de rebeldia contra Deus. Em todos os séculos, por todas as eras e gerações, a raça humana; no seu estado caído moral e espiritual, foram e tem sido pecadores. Eles se repetem, mas o fato é que nesse tempo hodierno, o clímax do pecado mostra-se excepcionalmente excitante para uma pluralidade “maníaca do prazer”. Biografando essa era pós-moderna, evidencia-se uma geração perversamente moral, demolidora de valores, relativista quanto à ética e a moral -, ditos seres autossuficientes em si mesmos, assentados na obscuridade humanista progenitora de iniquidade, forjam uma sociedade cujo cerne ativo é subverter as normas morais e, instituir a dita progressividade de que, “o mundo é outro”.  Fato que afeta o curso da sociedade nos dias de hoje.

Entende-se de que, o pecado é pecado em todas as épocas. A historicidade do mesmo, revela períodos robustos de sua manifestação nas sociedades e suas consequências no passado e, no presente. Na afirmação de Cristo a respeito da crescente iniqua “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará” (Mateus 24.12 ARA), sem especificidade para qual época e geração, mas salientando que sua mensagem concerne a um futuro; remetendo-se a esta era presente -, tanto de uma forma geral, quanto individual, o senso de moral evidencia-se perdido numa proliferação aberrante. Nessa sociedade a multiplicação das expressões da iniquidade se transforma cada vez mais, "Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem, mal; dos que transformam as trevas em luz e a luz em trevas; dos que mudam o amargo em doce e o doce em amargo!" (Isaías 5.20 ARA). Isso abrange a todas as classes da sociedade. Esse componente da perversão moral, revertendo o bem em mal e o mal em bem. Os valores da sociedade encontram-se na mira da institucionalização do pecado -, a formação das leis no Estado volta-se para um conjunto de regras espúrias.

O tempo difícil anunciado pelas Escrituras nos aponta para as inqualificáveis práticas da raça humana. As dezoito citações do texto de II Timóteo 3. 1- 6 exemplifica a praticidade societária, inerente aos indivíduos e a coletividade que prosseguem na construção de um mundo norteado por uma irracionalidade humana sem limites -, progênie de maldades, materialista, cínica, hedonista, geradora de morte, humanista, atrasos e injustiças, etc. “O feio é entronizado como a nova cultura”, características bem persuasivas. O padrão de agora é o espirrar da perversão. Os deuses da era pós-moderna realçados com maior fulgência é o da luxúria, libertinagem sexual, corrupção do poder, impiedade religiosa, ganância pelo dinheiro, etc., atrevidos para amizade com os prazeres e o desprezo a Deus. As características que envolvem as relações sociais na era presente são tenazmente malignas. Os círculos intelectuais, educativos, culturais, religiosos, etc., são norteados pela “a maldade, seja a bondade” uma realidade que se diferencia de tantas épocas e gerações. O que ontem era tão pervertido e vergonhoso, hoje são orgulho e status. Pois, o grau das expressões do pecado é bem mais descarado e sem vergonha.

A modernidade não simpatiza com o termo pecado. A repulsa a essa baliza revela uma oposição áspera em todos os elementos constituintes na sociedade. O Estado, segmentos sociais, ditos religiosos, “famílias”, mídia, etc. O caminho no qual se encontra essa sociedade, “onde o pecado é comum em todos os lugares” (Martin L. Jones), revela que a natureza do homem continua sendo a mesma (o homem mau), mas diferencialmente de outras épocas e gerações, em que as expressões do pecado foram manifestas, nessa sociedade os homens nas suas ações -, operam a matemática do raciocínio ilógico – na fórmula 666, realizam as combinações dos processos pecaminosos, ofensivos, afrontosos com toda sorte de pecados e perversões. (Judas 5 -16; 2 Pedro 2.1 -22, II Timóteo 3. 1- 6).

Notas
_____________
[1] Bíblia de Estudo Almeida Revista e Atualizada, publicada pela Sociedade Bíblica do Brasil.
[2] MCDOWELL, Bruce. Depravação Total. Site: www.monergismo.net
[3] MURRAY, John. Comentário Bíblico Fiel Romanos. São José dos Campos – SP. Editora Fiel. 1.ed. 2003.

0 comentários:

Postar um comentário