terça-feira, 1 de maio de 2012

Ativista faz discurso anticristão em conferência nacional



O escritor e ativista Dan Savage ficou famoso por uma série de vídeos postados no Youtube.  Durante uma conferência recente, cerca de 100 estudantes de uma escola de ensino médio abandonaram o auditório quando ele começou a fazer ataques à Bíblia e ofendeu  aqueles que se recusaram a ouvir o seu discurso “anti-bullying”.
O fato ocorreu em Seattle,  durante a “National High School Journalism Conference” [Conferência Nacional de jornalismo de escolas de ensino médio]  patrocinada pela Associação de Educação do Jornalismo  e a Associação Nacional de Imprensa Escolar.
O evento, que deveria ser uma manifestação contra o bullying nas escolas,  tornou-se uma coleção de ataques ao cristianismo e aos cristãos presentes. Diante dos estudantes aspirantes a jornalistas, ele atacou o argumento número 1 usado para justificar o bullying contra os gays: “está na Bíblia”.
Seu argumento é que de fato existem passagens bíblicas que condenam a homossexualidade,  como existem proibições do consumo de alimentos como camarões e lagostas ou justificam que uma mulher seja apedrejada se não se casar virgem. Sem falar nos vários versículos que defendem a escravidão.
Para Savage, se a Bíblia falhou nesta questão moral, porque não falharia num assunto tão complexo quanto a sexualidade? Os alunos cristãos não gostaram e começaram a sair do auditório assim que o ativista citou as Escrituras. A resposta inusitada de Savage foi chamá-los de “maricas”. E acrescentou que é preciso combater  todas as “besteiras” que estão contidas no texto sagrado dos cristãos.
Rick Tuttle, professor e assessor de imprensa da Escola de Ensino Médio Sutter Union, da Califórnia, era uma das centenas de pessoas presentes. Ele escreveu diz que o discurso deveria ser sobre uma coisa, mas que acabou sendo sobre outra. “Pensei que o tópico do discurso seria o anti-bulllying mas o que ocorreu foi um ataque direto às crenças cristãs”, escreveu ele no seu blog.
Tuttle disse que um número expressivo de estudantes ofendeu-se com as observações de Savage e decidiu abandonar o auditório, incluindo alguns de seus alunos. O ambiente tornou-se hostil.  ”Eles sentiram-se atacados… um ataque direto e muito aguçado a um determinado grupo de alunos. É surpreendente que nós saímos para ouvir um discurso anti-bullying e um grupo de estudantes é particularmente ofendido, com uma linguagem profana.”
Rapidamente a internet passou a debater o assunto, com uma série de argumentos pró e contra o discurso de Savage. Ele se defendeu em um post no seu blog, escrito domingo, Toda essa polêmica sobre seu discurso ser “um ataque ao cristianismo. É baboseira… é falso. Eu não estava atacando a fé em que fui criado. Eu estava atacando o argumento de que os homossexuais devem ser discriminados. E programas anti-bullying que abordam assédio moral ‘motivado pela fé’ contra os gays devem repensar seus argumentos, pois ninguém pode sofrer assédio moral somente porque alguém diz que “lá na Bíblia diz que ser gay é errado”.
A grande repercussão sobre o caso é o fato de o presidente Obama tem permitido que Savage criasse com o apoio da  Casa Branca, uma campanha contra o bullying de estudantes LGBT que estavam cometendo suicídio para escapar do assédio moral. O projeto foi uma série de vídeos chamados “It Gets better” [Vai ficar melhor] onde celebridades, esportistas e políticos tentavam confortar adolescentes gays que acreditavam ser vítimas de perseguição na escola por causa de sua preferência sexual.
Traduzido e adaptado de Washington Examiner e CNN

Post orginal em GospelPrime

0 comentários:

Postar um comentário