sábado, 4 de fevereiro de 2012

Vida: acaso ou projeto?



por Rafael de Lima

Uma das características mais marcantes do ser humano é a sua sede em questionar. A busca em tentar entender os “porquês” da vida é algo tão imanente ao homem quanto o é a sua capacidade de amar, odiar, perdoar, etc.

Essa capacidade de reflexão acerca das questões da vida é o que torna a existência humana tão interessante e ao mesmo tempo tão inquietante! Refletir a vida é o que nos faz sermos, de fato, humanos. Lembremo-nos a máxima de René Descartes: “Penso, logo existo” (DESCARTES, 2001, p. 38) [1].

Neste contexto, uma das mais relevantes indagações que, por vezes, surge é: existe propósito na vida ou somos produtos do mero acaso? Ou, lembrando Leibniz: “Por que existe algo em vez do nada?” (LEIBNIZ apud CRAIG, 2011, p. 59) [2]. O universo, o planeta terra, os seres humanos... a vida em geral, fazem parte de algum projeto ou são resultado de um simples acidente? Para onde as evidências apontam?

O problema em torno de a vida possuir ou não algum propósito tem sido tema de largo embate, principalmente entre cristãos[3] e ateus. Como se sabe os cristãos concebem a vida como sendo algo planejado, dotado de propósito e arquitetado pelo Criador. Por outro lado os defensores do ateísmo rejeitam a ideia de que a vida tenha sido planejada, afirmando que tudo resultou unicamente do acaso. De fato, a negativa de que exista algum propósito na vida é também uma negativa de que exista um Criador, e vice versa.

Antes de tudo, meditemos no parecer dado por C.S. Lewis acerca de tais questões:

Se o sistema solar veio a existir devido a uma colisão acidental, então, o aparecimento da vida orgânica neste planeta também foi acidental, e toda a evolução do homem foi acidental também. Se este é o caso, todos os nossos pensamentos presentes são meros acidentes – acidentes criados pelos movimentos dos átomos. E isto é válido tanto para os pensamentos dos materialistas e astrônomos como para qualquer outra pessoa. Mas, se os seus pensamentos – isto é, do materialista e do astrônomo – são meramente produtos acidentais, porque deveríamos crer que eles são verdadeiros? Eu não vejo razão para crer que um acidente possa dar a explicação correta do porquê de todos os demais acidentes (LEWIS apud LOURENÇO, 2007, p. 36) [4].

Diante disto, pensemos um pouco acerca da existência do universo e a partir desta reflexão concluamos com lógica. Vejamos o que propõe o seguinte silogismo que tem sido largamente utilizado por William Lane Craig batizado por ele de “Argumento Cosmológico Kalam” [5]:

        1.    Tudo o que começa a existir tem uma causa.
        2.    O universo começou a existir.
        3.    Logo, o universo tem uma causa.

A primeira premissa é impossível de ser negada, pois afirmar que algo veio a existir sem haver qualquer causa é o mesmo que dizer que algo veio a existir a partir do nada, e isso é impossível. “Uma lei absoluta da ciência e da lógica diz que ex nihilo nihil fit, que quer dizer, a partir do nada, nada procede. O nada não pode produzir coisa alguma” (SPROUL, 2010, p. 52) [6]. Perceba que o argumento acima não pode ser aplicado a Deus, através da astuciosa pergunta: “Então, qual é a causa de Deus?” O argumento afirma que tudo o que começa a existir tem uma causa. Deus, por outro lado, é eterno e não causado.

Acerca da segunda premissa, muitos poderiam alegar que o universo seja eterno. De fato, durante muito tempo se pensou que esta era uma possibilidade válida, todavia, a concepção que prevalece atualmente entre os cientistas é que o mesmo não é eterno, e o seu início se deu no famoso Big Bang ocorrido entre 10 e 15 bilhões de anos atrás.

Basicamente o polêmico modelo do Big Bang diz que o universo físico inteiro – toda matéria e energia, mesmo as quatro dimensões do espaço e do tempo – surgiu de uma explosão ocorrida a partir de um estado de densidade, temperatura e pressão infinitos, ou quase infinitos. O universo se expandiu a partir de um volume muito menor do que o ponto no fim desta frase, e continua a se expandir (ROSS apud FERREIRA; MYATT, 2007, p. 255) [7].

Apresentadas as duas premissas e suas defesas, chegamos à conclusão do silogismo. Vejamos a maneira notável com que William Craig infere seu argumento:

Portanto, a causa do universo deve ser uma causa transcendente que esteja além do universo. Essa causa tem de ser ela mesma não causada [...] Deve transcender o tempo e o espaço, uma vez que foi ela quem criou ambos. Logo deve ser imaterial e não física. E deve ser inimaginavelmente poderosa, uma vez que criou toda a matéria e energia. Por fim, deve ser um ser pessoal [8][...] (CRAIG, 2011, p. 109) [9].

Existe apenas um ser que se encaixa na descrição acima: Deus. Como já afirmado anteriormente, a negativa de que exista um Criador é também uma negativa de que exista algum propósito na vida. Da mesma forma a prova da existência de um Criador é a prova da existência de um sentido para a vida. De fato, fomos feitos para o louvor da glória de Deus. Este é o grande propósito da nossa existência: engrandecer a Deus e fazê-lo conhecido!

“Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas” (Ap 4:11 – ACF [10])




Notas


[1] DESCARTES, René. Discurso do método. Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes: 2001.

[2] CRAIG, William L. Em Guarda: defenda a fé cristã com razão e precisão. São Paulo: Vida Nova, 2011.

[3] Adotei a expressão “cristão” como definição generalizada dos que crêem na criação do homem, literalmente, como retratado no Gênesis, rejeitando assim a possibilidade de ter havido uma macro evolução coordenada por Deus, como tem sido proposto pela teoria da evolução teísta.  

[4] LOURENÇO, Adauto. Como Tudo Começou: Uma introdução ao Criacionismo. São Paulo: Editora Fiel, 2007.

[5] CRAIG, William L. Op., cit., p. 81.

[6] SPROUL, R. C. Verdades essenciais da fé cristã. 1º caderno. 3ª ed. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2010.

[7] FRANKLIN, Ferreira; MYATT, Allan. Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2007.

[8] Acerca da pessoalidade desta primeira causa, Craig argumenta que esta seria originada pela própria natureza do efeito gerado, pois a origem de um efeito com um começo é uma causa sem começo. O início do universo foi o efeito de uma causa primeira, esta causa não pode ter tido um começo para sua existência ou qualquer causa anterior. Ela simplesmente existiu imutavelmente sem começo e em um tempo finito passado conduziu à existência o universo.
Diante disto surge o seguinte problema: esta primeira causa seria eterna e o efeito que ela produziu não é eterno, tendo o início de sua existência em algum tempo finito atrás. Como isto seria possível, visto que se as condições suficientes para o efeito são eternas, então o efeito não deveria ser também eterno? Como é possível um evento inicial vir a existir se a causa deste evento existe de forma eterna e imutável?
Para Craig a única forma de solucionar este dilema é afirmando que a causa para o começo do universo é um agente pessoal que livremente deliberou criar um universo no tempo.
Para maiores detalhes, conferir: CRAIG, William L. O novo ateísmo e cinco argumentos para a existência de Deus, [2010]. Tradução Eliel Vieira. Disponível em: <http://elielvieira.net/2010/12/14/o-novo-ateismo-e-os-argumentos-para-a-existencia-de-deus/>. Acesso em: 04 fev. 2012.  
  
[9] CRAIG, William L. Op., cit., p. 109.

[10] A versão utilizada neste artigo é a Almeida Corrigida e Revisada Fiel ao Texto Original (ACF) publicada pela Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.

2 comentários:

  1. Se a vida fosse um mero acaso, Deus não teria enviado seu filho para salvar a humanidade. Porque se preocupar com algo tão casual? Não obstante, se a vida fosse um mero acaso, porquê Deus enviaria seus anjos? E porque Satã tentaria corromper os homens, se estes não passassem de acaso?

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário!

    Infelizmente, nem todos pensam desta forma.
    De fato, só Deus pode trazer sentido para a vida. Mas, na tentativa de apagar Deus da história da humanidade, os homens acabam caindo no erro de criar um mundo sem Deus, mas com sentido... isso não passa de uma falácia!

    Abraços

    ResponderExcluir