quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Reverendo da Igreja Anglicana em São Paulo diz estar pronto para fazer o ‘casamento gay’




Dizem que o reverendo Aldo Quintão (foto), 49, é polêmico. “Não é bem assim. Sou contemporâneo”, diz ele, que é casado há 23 anos e tem um filho de 22.
Na Catedral Anglicana, em Santo Amaro, zona sul, o brasiliense conquistou fiéis com um discurso sem restrições. O direito ao aborto e o respeito aos gays estão na pauta.
Em São Paulo desde 1984 já celebrou mais de 3.000 casamentos. Para este ano, não há vagas nos dias mais procurados, sextas e sábados.

Qual é o maior pecado paulistano?
O individualismo, que se traduz na insensibilidade diante dos dramas sociais. Precisamos de mais solidariedade. Parece óbvio, mas é muito difícil encontrar isso em uma cidade como São Paulo.

Por que dizem que o sr. é liberal?
Talvez porque debato questões polêmicas e defendo minorias. Temas como o direito ao aborto, os estudos com células-tronco, o respeito aos gays e o uso de anticoncepcionais devem ser abordados. Quero discutir o que é o mundo contemporâneo – e não o que é a igreja.

São Paulo é uma cidade liberal?
Por um lado, é liberal. É uma metrópole gigante, que garante o anonimato. Por outro, é conservadora nas relações entre conhecidos. Somos liberais enquanto cidade e conservadores enquanto família.

Quem frequenta a Igreja Anglicana?
Todos são bem-vindos. Inclusive gays assumidos, divorciados e fiéis desiludidos com outras religiões. O mundo moderno é marcado por uma sociedade plural. Na minha leitura do Evangelho, todo mundo tem o direito de ser feliz. Aqui, as pessoas sentem que as diferenças são respeitadas.

Quais foram os casamentos mais marcantes que realizou?
Foram dois extremos. Um foi a união de dois amigos de infância, num rancho em Pindamonhangaba (SP), onde brincavam quando crianças. O outro foi o casamento do cantor sertanejo Bruno, no Terraço Daslu. Adoro música sertaneja. De repente, vi que estava celebrando uma missa para Chitãozinho, Daniel e Michel Teló. O próximo noivo famoso é o cantor Paulo Ricardo.

Quantos casamentos já celebrou?
Já fiz mais de 3.000 casamentos, 90% em São Paulo. Casei evangélicos, hindus, judeus, muçulmanos, grávidas, desquitadas e por aí vai. Casamento gay? Farei assim que a lei permitir.

Fonte: Folha de São Paulo

Post original em Holofote.Net

Um comentário:

  1. "Talvez porque debato questões polêmicas e defendo minorias. Temas como o direito ao aborto, os estudos com células-tronco, o respeito aos gays e o uso de anticoncepcionais devem ser abordados. Quero discutir o que é o mundo contemporâneo – e não o que é a igreja." O que, então está fazendo à frente de uma igreja que se diz cristã? Se que debater "questões polêmicas" vá ser um sociólogo. De bispos, pastores, ou quaisquer que sejam os títulos que recebam nas diferentes denominações, espera-se que defenda os valores do Evangelho, não os valores "contemporâneos". Obviamente que esses temas não podem ser passados de largo pelos pregadores e líderes cristãos, mas chega de escantear as verdades do evangelho em nome do "politicamente correto". Que o Senhor tenha misericórdia de nós!

    ResponderExcluir